terça-feira, 28 de março de 2017

Fora de mim: a saga interna de uma menina muito especial

A leitura de um bom livro nos transforma, nos faz refletir, remodelar conceitos até então pré-estabelecidos. Trabalhando em biblioteca escolar, convivendo diariamente com crianças e pré-adolescentes, tem me renovado muitos desses tais conceitos que assimilamos através de terceiros.
Sempre que posso, leio livros de literatura juvenil que chegam aqui no nosso acervo. Uma forma de se inteirar sobre o que anda rolando na literatura juvenil atual e também, me atualizar para poder indicar leituras para os jovens do colégio. Livros que abordam questões de inclusão, são sempre bem vindos afinal, todas as escolas devem estar de acordo com a lei da Inclusão. Não serei hipócrita em dizer que todas aplicam essa lei ao pé da letra porque estaria mentindo e feio.
A lei até pode existir mas, muito mais difícil do que implantá-la, é trabalhar tais conceitos de inclusão entre alunos e principalmente, professores que já se encontram "engessados" por teorias antigas e muitas delas bem ultrapassadas e que já se encontram tão enraizadas, que dificultam um novo moldar em suas formas de trabalhar. Não estou aqui traçando uma crítica muito menos julgando o papel dos professores. Muito pelo contrário, sou solidária nessa luta insana que dia após dia, todos que trabalham com educação, travamos para dar nosso melhor na formação das crianças. Só que nem sempre se consegue...
Retornando às leituras, hoje vou falar um pouco sobre um livro que acabei de ler e que muito, mas muito mesmo me emocionou. Uma história que, para quem como eu, trabalha no universo escolar, com certeza já viu situações semelhantes. A identificação será imediata!
Fora de mim, da escritora norte-americana Sharon M. Draper.
A história da garota de onze anos, Melody Brooks. Poderia ser uma história qualquer de uma garota como todas as demais de sua idade. Poderia ser uma história comum de uma garota de onze anos numa cidade como outra qualquer, numa escola cercada de outros tantos alunos como vemos em todos os cantos do planeta. Os demais alunos são iguais, a cidade como tantas espalhadas por aí, a família também e a vizinhança idem. Mas Melody Brooks, faz toda a diferença entre eles. E ela se destaca. E ela sofre. E ela não aceita que sua vida seja apenas isso. E ela luta com todas as suas forças para provar ao mundo, do que ela é capaz. Entre tantas coisas que faltam para ela provar sua presença e sua importância, talvez, o que ela mais sinta falta e o que ela mais deseja são as... PALAVRAS!

..."Palavras. Milhares de palavras me cercam. Talvez milhões...
...Desde que eu era bem pequena - acho que com uns poucos meses de vida - encaro as palavras como presentes doces e líquidos, e eu as bebo como limonada. Dava quase para sentir o gosto...
...Quando eu tinha dois anos, todas as minhas memórias já tinham palavras, e todas as minhas palavras tinham significado. Mas só dentro da minha cabeça. Eu nunca disse uma palavra sequer. E tenho quase onze anos."

Melody tem paralisia cerebral: não pode andar, não pode ir ao banheiro ou se alimentar sozinha.
Nunca disse uma palavra. No entanto, em seu universo interno, ela domina todas e tem tanto a dizer a todos. Mas não consegue. Aos olhos dos outros e, principalmente aos olhos dos alunos de sua escola, ela não passa de uma "retardada". Isso, ao mesmo tempo em que a magoa profundamente, lhe serve de forças para superar seus obstáculos e provar ao mundo que sim, ela pensa, ela é inteligente e ela tem valor. Mais até que muitos dos alunos de sua classe de inclusão que nunca perdem a chance de a constranger. Sharon M. Draper foi muito feliz ao expôr o universo escolar e as muitas facetas das personalidades infantis. Nem toda criança é boa. Assim como os adultos que um dia já foram crianças também, elas desde cedo, demonstram seus instintos: inveja, medo, insegurança, raiva, maldade, são alguns dos sentimentos expostos aqui nessa linda e comovente história. 
A vida da jovem Melody não será nada fácil ao entrar para a turma do quinto ano mas ela mostra que não se intimida diante das dificuldades e demonstrações de discriminação e preconceito. Ela, mais do que ninguém sabe de seu valor. E para seguir adiante contará com a ajuda de suas escudeiras fiéis: a sr. Valência, sua vizinha e a jovem estagiária Catherine.

..."O quinto ano, provavelmente, é complicado para muitas crianças. Lição de casa. Não ter certeza se você é descolado o suficiente. Roupas. Pais. Querer brincar e ser adulto ao mesmo tempo. Odores nas axilas...
...Será que algum dia um menino vai gostar de mim? Talvez eu não seja tão diferente dos outros, no fim das contas...
...Tenho tanta coisa dentro da minha cabeça. Tenho muita coisa para dizer e só um dedão para transformar isso em palavras..."

Confesso que mergulhei na leitura e agora, terminada, está difícil de largar essa menina que me ganhou o coração. Leitura obrigatória para pais e professores. Leitura indicada para todos que amam ler e principalmente, torcem por seus protagonistas. Tenho certeza que ao término desse livro, você assim como eu, assim como o próprio John Green, autor de A culpa é das estrelas, descreveu: "Você vai se sentir como se estivesse vivendo a vida de Melody"e sairá da leitura sentindo-se outra (o). Com certeza, um ser humano melhor do que antes da leitura.
Simplesmente não tenho mais palavras para descrever a beleza dessa história! Só mesmo lendo!

Título: Fora de mim
Autor: Sharon M. Draper
ISBN: 978-85-7683-741-1
Tradução: Lavínia Fávero
Editora: Vergara & Riba
Ano: 2014
Páginas: 207

Nenhum comentário: