segunda-feira, 25 de maio de 2009

Blogagem Coletiva em Defesa da Infância II


Apesar de um final de semana extremamente gripada, eu não poderia deixar de participar da 2ª blogagem coletiva Em Defesa da Infância promovida pelo blog Diga Não a Erotização Infantil e que foi inspirada em blogagem contra a pedofilia proposta pelo blog amigo http://luzdeluma.blogspot.com
A situação ultimamente chegou a um patamar que se tornou insustentável para toda a sociedade permanecer conivente com ela. Há tantos casos de violência contra crianças que chega a ser quase que "normal" ler a respeito. Mas veja bem, disse quase normal. Isso significa que a população não deve se acomodar com tal situação e mostrar sua indignação com todos os tipos de violência que ocorrem diariamente com nossas crianças. Desde um "inocente" comercial de brinquedo, passando por ditaduras da moda que regem o que toda criança bonita deve vestir e calçar, passando pela "conduta" inapropriada que nossas novelas passam para a grande massa até chegar na violência explícita através de mals tratos em família até o estupro que já fez e ainda faz tantas vítimas. Não dá mais para ficarmos de braços cruzados vendo tudo isso acontecer ao nosso lado e fingir que nada de estranho acontece. Diante de todas essas arbitrariedades, é que pessoas com o mesmo grau de indignação decidiram na data de hoje e de 25 de maio postar algo sobre esse tema.
Dia 18 de maio é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Foi instituído pela Lei 9.970. A idéia surgiu em 1998 quando cerca de 80 entidades públicas e privadas, reuniram-se na Bahia para o 1º Encontro do Ecpat no Brasil. Organizado pelo CEDECA/BA, representante oficial da organização internacional que luta pelo fim da exploração sexual e comercial de crianças, pornografia e tráfico para fins sexuais, surgida na Tailândia, o evento reuniu entidades de todo o país. Foi nesse encontro que surgiu a idéia de criação de um Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual Infanto-Juvenil.
Foi escolhido o 18 de maio em homenagem à menina Araceli. Seqüestrada em 18 de maio de 1973, Araceli Cabrera Sanches, então com oito anos, foi drogada, espancada, estuprada e morta por membros de uma tradicional família capixaba. Muita gente acompanhou o desenrolar do caso, desde o momento em que Araceli entrou no carro dos assassinos até o aparecimento de seu corpo, desfigurado pelo ácido, em uma movimentada rua da cidade de Vitória. Poucos, entretanto, foram capazes de denunciar o acontecido. O silêncio da sociedade capixaba acabaria por decretar a impunidade dos criminosos.
(Texto retirado do blog Diga Não a Erotização Infantil)
A blogagem acaba hoje, dia 25 de maio, Dia Internacional Das Crianças Desaparecidas, dia que o menino americano, Etan Patz, 6 anos de idade, foi raptado em 1979 e nunca foi encontrado.
Muito me preocupo ao observar as crianças de hoje tendo uma vivência tão diferente da que eu tive em minha infância. Acredito que faço parte de uma das últimas, senão a última geração que realmente vivenciou sua infância de forma intensa e verdadeira. Brinquei muito na rua com outras crianças de mesma idade, participava de jogos (volei, queimada, pega-pega entre outros), brinquei de casinha com minhas primas e amigas, brinquei com carrinho rolleman (é assim que se escreve?), enfim, fui uma criança inocente que vivenciou o máximo sua infância exatamente da forma que se deve ser. Quase não assistia a televisão, somente em alguns horários meu pai permitia. Lia bastante pois meu pai sempre comprava gibis da Mônica e do Walt Disney. Com relação a erotização, nossa esse assunto passava bem longe de minha realidade de criança. Se perguntassem alguma coisa, nem saberia dizer. Para algumas pessoas, isso pode parecer até uma questão de alienação mas, ao meu ver, foi o que transformou minha infância numa infância feliz, pura e sem manipulação da mídia. Quando olho para as crianças hoje, principalmente para as meninas, fico num misto de chocada e penalizada. São crianças querendo ser e ter atitudes de adulto. No entanto, sua psiquê ainda é de acordo com sua idade cronológica e então, vem uma série de complicações e contradições que só tendem a deixá-las infelizes e insatisfeitas. A manipulação da grande mídia com relação a ditar modas quanto ao que vestir e calçar, o uso de determinados acessórios, maquiagens levam essas meninas a uma vontade e um desejo que, se não forem satisfeitos tornam-se as crianças mais infelizes da face da terra.
Por outro lado, fico extremamente preocupada e apreensiva com essa onde de pedofilia que se alastrou de forma epidêmica por todo o mundo. Pergunto-me como que um adulto pode olhar uma criança e ver nela um objeto de seus desejos. As pessoas perderam por completo a noção de valores e bom senso. Trocando em miúdos: a sociedade se encontra gravemente doente e perdida em suas convicções e postura diante da vida. A violência, seja de que tipo for é inaceitável. Seja entre adultos ou crianças, contudo, temos a obrigação de fazermos algo para mudar essa situação. E uma das formas é justamente essa discussão saudável que estamos desenvolvendo no meio virtual. Façamos dessa discussão de temas tão importantes, uma constante em nossas vidas. Seja no seio familiar, no trabalho com os colegas, entre amigos, o importante é desenvolver o tema para que a sociedade em conjunto com os orgãos competentes encontrem uma solução para esse problema que tanto tem afligido nossas famílias. E a criança não pode continuar sendo vítima de pessoas tão vís assim. Ela merece todo nosso amor, carinho, atenção mas principalmente, nosso respeito. Preocupemo-nos em devolver às crianças sua infância perdida. Essa é minha proposta a todos. Desejo voltar a ver no semblante infantil aquela pureza e alegria de ser verdadeiramente criança.

2 comentários:

Luma disse...

Roseli, este fim de semana a tv estava ligada na cozinha e passava a escolha de um príncipe para participar de um filme produzido pela Xuxa e que fará par romântico com a Sacha. No início do programa a Xuxa disse que nao haveria cena de beijo, que Sacha não beijaria ninguém. Pois bem, o teste com uma outra atriz, o principe e princesa se comportavam como adultos e a princesinha cobrava um 'eu te amo'. Eu achei de uma irresponsabillidade, porque banalizar os sentimentos, é também banalizar todo o resto! E começa por aí, pais indo contra os 'heróis da tv' - nao temos que aceitar certas coisas, somente porque é alguém famoso que está lá. As entidades protetoras da infância deveriam se manifestar!
Parabéns pela sua participação e reflexão! Beijus

Roseli Venancio Pedroso disse...

Oi Luma, está vendo só o que acontece? Realmente as pessoas andam banalizando muito coisas sérias que deveriam ser vistas com mais respeito. E a mídia é a grande culpada por passar ideias tão distorcidas à grande massa. Foi muito prazeroso participar dessa blogagem que trata de um tema tão sério e importante. Conte sempre comigo.
Bjs