quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Escolas exigem que alunos escrevam à mão

Essa é uma preocupação constante em várias escolas e, eu mesma, tenho observado que estou desaprendendo a escrever. Ultimamente, tenho tido dificuldades na escrita à mão. Minha caligrafia, que antes era bonita, agora parece caligrafia de médico. Ou seja: um horror. Só eu mesma consigo decifrar meu hieróglifo e mesmo assim, as vezes nem eu. Tenho pensado em voltar a escrever um pouco a mão para treinar minha escrita.
(Notícia retirada da Folha de S. Paulo - Talita Bedinelli)
Os livros e cadernos que Letícia Martins e Pedro Paulo dos Santos, ambos de 15 anos, levam na mochila ganharam em 2009 a companhia de um notebook. É no computador que eles anotam o conteúdo das aulas do colégio Sidarta (em Cotia, na Grande São Paulo). O resultado é que escrevem cada vez menos à mão, assim como muitos de seus colegas. Com medo de que os avanços tecnológicos façam com que os estudantes percam a caligrafia e deixem de atentar para as normas cultas da escrita, escolas particulares intensificaram a produção de redações e ainda pedem que a maioria dos trabalhos seja manuscrita. No Santa Cruz (zona oeste de SP), por exemplo, os alunos até podem fazer o trabalho no computador, mas, antes de entregá-lo, devem transcrevê-lo à mão. É o que Alejandro Gabriel Miguelez, coordenador do curso de produção textual do colégio, chama de "passar a sujo". "A expressão é uma brincadeira que faço com os alunos. Não abrimos mão do texto manuscrito, é preciso que eles pratiquem a caligrafia."
Objetivo é evitar que, com o uso frequente do computador, no colégio e em casa, os estudantes percam a caligrafia e deixem de atentar para as normas cultasPesquisadora, entretanto, critica exigência, que encara como um retrocesso, já que diz que trabalhos manuscritos serão muito raros no futuro. Leia mais

6 comentários:

Lú Silva disse...

Pois é Roseli demos estar sempre atentos a tudo na rede não é...

Abraço

Roseli Venancio Pedroso disse...

Obrigada pela visita Lú! Adoro receber você por aqui.
Bjs

Roseli Venancio Pedroso disse...

Oi Lù!
Sem querer apaguei o outro comentário seu. Sorry!!!
Bjs

Jarbas disse...

A escrita é uma marca pessoal. Há escritores que notam diferenças entre seus textos escritos originariamente à mão e escritos em processadores. Faz sentido. Os processos de produção nos dois casos são muito diferentes. Esse pode ser um assunto interessante para investigações sobre funçoes cerebrais. Minha hipótese é a de que diferenças significastivas serão encontradas.
Abraço, Jarbas.

Silvana Nunes .'. disse...

Muito bom esse espaço. Certamente voltarei mais vezes.
Que os bons ventos soprem a favor da Educação neste ano de 2010 porque a coisa está crítica.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... aproveita para desejar um bom final de semana.
A Paz !
Saudações Florestais !

Elder Lopes Barboza disse...

Roseli, Boa abordagem!!

Na ultima avaliação que participei, uma prova de redação me assustou: eu não conseguia escrever, minha letra estava horrível. Não que minha letra fosse bonita, mas pelo menos era possível entender. Com muito custo consegui passar a limpo, e ainda errava toda hora em palavras com "rv" (conservar, preservar etc). Eu não conseguia fazer a volta do "v". Depois pensei e vi que eu estava a exatos 13 meses sem escrever um texto manuscrito.
Isso é sério. Nos vestibulares, concursos, seleções de mestrado, seleção de emprego,tem a parte de redação e normalmente tem peso fundamental na nota final.
Aff... Isso é sério.

Abraço!!