quarta-feira, 22 de julho de 2009

Campanha Fim do Silêncio nas Bibliotecas

O Anderson do blog Librarianship postou um video muito engraçado sobre o papel e perfil do profissional de biblioteca e, mesmo achando-o hilário, nos leva a sérias reflexões sobre nosso comportamento e como os demais usuários nos vêm. Muitas vezes nos pegamos repetindo os mesmos "Tipos" que durante a fase da faculdade criticávamos. Quando decidi fazer o curso de biblioteconomia, já tinha muitos exemplos que decididamente, não queria ser. Conheci algumas bibliotecárias na época em que fiz o ensino médio que me dava arrepios e asco. Sempre pensava: Essa pessoa está sempre de mal com a vida, parece que detesta o que faz. Está sempre emburrada e nunca esboça um sorriso.
Conheci vários colegas de profissão que acham que biblioteca boa, é biblioteca vazia e sem nenhum som (barulho).
Sou contrária a esse pensamento. Para mim, biblioteca boa é biblioteca dinâmica e cheia de pessoas usufruindo o que de melhor ela oferece. Em outras palavras, acervo bom e atualizado mas (e principalmente) uma equipe treinada e sintonizada que tenha apreço pelas pessoas. Esse negócio de dar mais valor aos livros e a parte técnica faz parte de uma biblioteconomia do passado. O material humano é muito mais importante e o contato com o usuário para mim, é fundamental. E digo mais, eu me enriqueço a cada dia ao manter o contato contínuo com as pessoas que adentram a biblioteca em que trabalho. A troca é grande. Enquanto passo as informações que necessitam para desenvolverem seus trabalhos escolares, enquanto o professor busca material para aperfeiçoar suas matérias, eu aprendo cada vez mais através desse contato. Além da gratificação que sinto ao ver que eles saem satisfeitos com o que vieram buscar e depois ainda elogiam a atenção recebida na biblioteca. Isso não tem preço mesmo.
Porisso, dou seguimento a essa campanha por um biblioteca mais humanizada e alegre. Chega de Shiiiii!!!! Isso aqui é uma biblioteca!! Que tal trocarmos por "Ei!!! Esta é uma biblioteca. Que tal conhecê-la e ver tudo de interessante que pode achar nela? Para encerrar esse texto, tomei a liberdade de divulgar por aqui o vídeo hilariante que o blog Librarianship postou. Aproveito para divulgar esse blog que é ótimo e que merece ser conhecido por todos aqueles ligados à área e afins.

6 comentários:

Lucineia Silva... disse...

Roseli acredito que o dos segredos do sucesso do Biblio é o amor a profissão!! Alias, tudo que fazemos se não tem o toque do amor, não fica bom viu....

No mais gostaria de oferecer a vc um selo... esta lá no meu blog o seu selinho, agurado visita !

bjos

Roseli disse...

Oi Lucineia,
Concordo com você sobre ter amor ao que se faz. Quando entrei nessa profissão, foi por puro amor e diariamente procuro fazer o melhor. E sempre saio do trabalho feliz e com o sentimento de que dei o melhor de mim. Obrigada pela visita e pelo selinho. Vou já buscá-lo.
Bjs

Andressa disse...

Olá, Roseli. Enfrento mesmo esse sentimento de não ser como certos bibliotecários, agora, no início da graduação. Adepta das idéias Oswaldo Almeida Jr, passei a defender "Nas bibliotecas, o silêncio através de ásperos e intransigentes "psius" é necessário para quê? (...) A vida urbana é pródiga em barulhos, sons. Por que essa irreal necessidade em separar a biblioteca do modo de vida da população?" em Sociedade e Biblioteconomia. Fantástico. Convido-te a visitar o blog que minha turma fez sobre o biblioteconomista Edson Nery da Fonseca, o http://edsonnerydafonseca.blogspot.com Abraços!

Profe Suely disse...

Oi, Roseli!

Dia desses levei minhas alunas para conhecer as duas bibliotecas do centro da cidade: a do município, vazia e com atendentes (não há bibliotecári@, é meio cabide de emprego...) que não deram a menor bola para nós... um senhor fez uma fala como se tivesse com pressa, nos apresentando o espaço, mas sem muita referência ao acervo...

Na outra, do Sesi, um espaço acolhedor, com atendentes bem interessadas, que no deram uma boa acolhida!

Temos voltado sempre à segunda biblioteca...

Passei um bom tempo da minha vida sem vontade de ir à bibliotecas por causa do rigor, do silêncio obrigatório... e eu sou meio barulhenta... gosto de pegar um livro, comentar, partilhar a novidade...

Adorei teu texto! Pena que nem todas as pessoas que trabalham em bibliotecas pensam assim!!!

Abraços!

Dribook disse...

Achei muito interessante este post!
É preciso constantemente refletir sobre a nossa postura diante do público para não repetir os velhos clichês.
Obrigada pela dica do blog!
Beijoss

Lulyjoy disse...

Olá Roseli !

Concordo com o que você disse em relação a como o atendimento é feito... é preciso sorrir, motivar, incentivar, bem tratar, atrair, acredito que nunca coube o comportamento durão e intimidador em nenhum profissional, quanto mais aqueles que querem motivar o estudo e a leitura. Agora, precisamos ser flexíveis no que tange ao silêncio. Muitos usuários saem de ambientes agitados para usufruírem do silêncio que pensam que vão encontrar nas bibliotecas. E falo aqui de silêncio, não da completa ausência de som, mas de ruídos suportáveis a para uma audição saudável e num volume suficiente para não atrapalhar a concentração do outro. Este barulho acho até gostoso. Uma biblioteca cheia, com o som dos mumúrios das vozes conscientes do ambiente em que se encontram, da ocasião e que respeitam o direito do outro de não querer ouvir barulho.