sexta-feira, 27 de março de 2009

Bibliotecários repensem sua imagem e postura

Recebi outro dia uma mensagem do Profº Fernando Modesto divulgando esse artigo do jornalista Luís Antonio Giron e pedindo-nos uma reflexão sobre o assunto. Assunto esse que já venho debatendo sozinha e no escuro há um bom tempo pois ninguém de nossa área se manifesta ou se mostra solidário nessa questão e com vontade e garra política para mudar essa situação.
Estou falando da postura e da imagem negativa que as pessoas têm de nós bibliotecários. Há algum tempo atrás, escrevi algo sobre a minha visão do profissional quando fui pela primeira vez a biblioteca Mário de Andrade. Quando me decidi por essa profissão, aquela imagem negativa que tive lá no passado pesou bastante e me fez acreditar que "aquela profissional" era tudo o que eu não seria quando formada. Acredito que tenho conseguido passar uma imagem boa a todos que aqui na biblioteca em que trabalho passam. Posso cometer alguns erros e enganos de vez em quando - o que é natural afinal sou humana - mas, tratar as pessoas que por aqui passam com respeito e carinho é sempre meu lema. A começar pelo sorriso sincero ao recebê-las. E mais ainda, ao vê-las irem embora satisfeitas da biblioteca. Isso não tem preço! Colegas de profissão eu vos peço: repensem suas condutas e posturas diante do usuário. Sr. Luis Antonio Giron, eu em nome de toda uma classe, peço humildemente desculpas pela péssima impressão que alguém possa ter lhe causado e, por favor acredite, existe alegria, simpatia e comunicabilidade sim no meio biblioteconômico. Não perca as esperanças de um dia encontrar um(a) profissional simpático(a), comunicativo(a) e que ama acima de tudo, o usuário.
Leia o artigo

8 comentários:

Alexandre felipe disse...

Sinceramente nunca tive uma visão negativa dos bibliotecários... Frequento bibliotecas desde criança e pensei em até fazer facul nesta ára... Ainda tenho vontade de trabalhar em biblioteca só pra ficr perto deos livros q é minha paixão...

Suely disse...

Oi, Roseli!

Numa das escolas em que trabalhei, há muito tempo, as crianças andavam com os livrinhos dentro de um saquinho para não estragá-los. No meu ponto de vista, uma má orientação, o contato com o livro é fundamental para formar o leitor... poder tocar, cheirar... O saquinho traz a ideia de algo meio intocável, que não deve ser manuseado...
Quem fazia essa orientação? a bibliotecária? Não, uma professora em fim de carreira, que ocupava o lugar de "bibliotecária"!
E assim á até hoje... tem alguém estressado, para se aposentar, que não quer estar em sala de aula... põe na biblioteca... Acho que isso contribui para a imagem negativa que mencionas no teu texto...

Abraços!

Roseli Venancio Pedroso disse...

Alexandre e Suely,
Obrigada pela visita e comentários. É sempre um prazer receber vocês por aqui. Voltem sempre.
Bjs

Último filme que assisti disse...

Recentemente participei de uma entrevista, na qual uma das exigências era a composição de uma redação. Devido a semana do Bibliotecário, o tema escolhido foi justamente esse a "postura do bibliotecário" e a influência negativa que isso traz para a profissão.
Acredito que a falta de união entre a classe, ajuda na falta de reconhecimento e com a contribuição de que aquele velho paradigma continue instaurado.
Como você tenho esperanças que essa situação se contorne.
Parabéns pelo blog. Abraços

Carmelita T. Tomasoni disse...

Prezada Roseli, concordo na íntegra com o vc que diz: "Repensar", em todos os sentidos... Principalmente nós Bibliotecários...
Grande abraço!!

Patrícia disse...

Olá, tem um selinho do Prêmio Dardos pra você no meu blog!

Anônimo disse...

Uma das minhas grandes paixões é a biblioteca, tanto que sou doutoranda em Educaçao, com o tema biblioteca, vou falar do silêncio, do outro silêncio da/na biblioteca, o que me intriga é que nas grande maioria das vezes, quem trabalha na biblioteca é uma pessoa com um problema de saúde ou outro. Os/as gestores não vêem a bibloteca como o mais belo espaço da escola que aguça o imaginário. Com certeza, a indiferença deles/delas se dá porque não passaram pela biblioteca durante a educação básica.

Roseli Venancio Pedroso disse...

Cara Anônima,
Obrigada por sua visita e comentário. Infelizmente, em nosso país, nas bibliotecas (pelo menos na maioria), não trabalham profissionais qualificados que amam aquilo que escolheram. Na grande maioria, são profissionais "encostados" por motivos de saúde. Geralmente pessoas mal resolvidas psicológicamente, sem nenhuma noção de leitura, educação e cultura geral. Pessoas com sérios problemas de relacionamento daí, a falta de interesse nos usuários que entram ávidos por conhecimento e saem das bibliotecas com gosto ácido da decepção. Apareça sempre por aqui e se quiser (ou puder) me mande seu e-mail para que possamos trocar mais figurinhas sobre esse tema.