sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Brasileiro: como anda nossa leitura?


Brasileiro não lê. Brasileiro não gosta de livros. Será? Ou esse quadro está mudando? Quando leio isso em pesquisas, artigos em jornais e revistas sempre me questiono a respeito da veracidade dessa afirmação. Ultimamente então, me questiono mais ainda pois em todo lugar em que passo, sempre me deparo com pessoas com livros na mão. Como meu meio de transporte é o trem e o metrô, sempre que estou na fila vejo pessoas lendo. E esse número tem crescido vertiginosamente. E, curiosa que sou, sempre procuro ver que livro estão lendo. Gosto de estar por dentro do gosto literário das pessoas. Há alguns anos atrás, era raro mesmo ver alguma pessoa lendo em público. Quando aparecia um, era sempre aquele tipo "nerd" que vivia sempre fora do tempo e do espaço em que vivia. Hoje não, observo que todo tipo de pessoa anda com livros: estudantes universitários, idosos, pessoas mais simples mas que já adquiriram o prazer da leitura, crianças, enfim, está cada vez mais comum visualizar esse quadro. Frequento muito cafeterias e livrarias e essas então, sempre têm um público leitor. As grandes livrarias como a Cultura e a Saraiva então, da hora que abrem a hora que fecham estão sempre lotadas de leitores vorazes. Estou fazendo essa reflexão como forma de introduzir a notícia abaixo. É muito bom ver essas iniciativas acontecendo por aí. Nossa sociedade está mudando - e pra melhor - e é importante que divulguemos esse novo perfil do brasileiro. Concordo com você que deve estar lendo isso agora e pensando com seus botões: Bah! Essa aí é uma desinformada mesmo ou então uma deslumbrada que não enxerga um palmo diante de seu nariz. Falar de Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e demais regiões do sul do país é uma coisa. Mas e o resto do país? Concordo com você caro leitor mas aproveito para dizer que mesmo nas regiões afastadas das grandes metrópolis, já tem surgido pessoas engajadas em projetos de incentivo à leitura só que isso, infelizmente não vende jornal nem revista muito menos dá ibope na TV. É uma pena que as nossas mídias ainda acham que somente sangue, corrupção na política e falcatruas de toda espécie vendam mais e são bem mais interessantes que divulgar coisas boas que têm acontecido à sociedade brasileira no quesito cultura e educação. Leiam essa notícia abaixo:

BIBLIOTECÁRIOS NA AREIA

(Notícia retirada do PublishNews, 22/01/09)

Mais de 800 veranistas visitaram as quatro tendas do projeto Biblioteca Cidadã na Areia, na primeira semana de funcionamento e emprestaram cerca de 100 livros por dia, em cada tenda, nas praias de Guaratuba, Ilha do Mel, Ipanema e Caiobá, no Paraná. A ideia desenvolvida pela Secretaria de Estado da Cultura - pioneira no Brasil - consiste na instalação de tendas de 100 metros quadrados, distribuídas nas praias de maior circulação, que contam com um acervo de cerca mil livros para empréstimo, computadores, televisão com DVD, armários, mesas e cadeiras, oferecendo ao público uma estrutura completa e confortável. As Bibliotecas Cidadãs na Areia além de estimular o saudável hábito da leitura com um atendimento especializado e personalizado, também proporcionam para os veranistas e habitantes do litoral, atividades lúdicas para desenvolvimento da criatividade, como informa matéria publicada no portal Paraná on line. O coordenador do projeto, Rafael Camargo, conta que nos primeiros dias a maior procura dos frequentadores do espaço foram os livros da lista de Mais Vendidos - como o Caçador de pipas e A menina que roubava livros - e também dos autores paranaenses. A Biblioteca Cidadã na Areia funcionará até 15 de fevereiro.

Um comentário:

Suely disse...

Oi, Roseli!
O que observo, no dia-a-dia, nas duas escolas públicas e de periferia em que atuo, é que tanto @s adolescentes quanto @s adult@s (da EJA) gostam de ler... o que a nós educadores(as) precisamos ainda é possibilitar o acesso. Havendo livros, haverá leitores(as)! A prova é esse projeto que noticias sobre a Biblioteca na areia! Muito legal!
Como professora de língua e literatura, tenho como compromisso fundamental a formação d@ leitor(a)! Mas esse compromisso não é só d@s professores(as) da área da expressão e d@s bibliotecári@s! É de toda a escola! Essa postura precisa ser construída... nem tod@s pensam assim... Sonho com escolas leitoras!