terça-feira, 14 de outubro de 2008

Dia do Professor - Blog Action Day - Pobreza: reflexão

Hoje temos dois assuntos de extrema importância para falar. Comemora-se nessa data o Dia do Professor e, no atual momento olhando o cenário nacional, não sei se há realmente algo a se comemorar. Na minha opinião, é um momento para grandes reflexões sobre a importância dessa profissão, do quanto ela influi na vida afora de uma criança e na responsabilidade social que, assim como o médico, exige dedicação e amor ao ser humano em formação. E isso, não é bem o que temos presenciado na maioria das escolas. Infelizmente, a educação no Brasil se tornou algo pra lá de capenga com pessoas em seus comando despreparadas e destituidas do perfil necessário para desenvolver um trabalho de qualidade na formação dessas crianças e de nossos jovens do Ensino Médio que a cada dia está pior. O ensino público está abarrotado de pessoas "encostadas", sem interesse algum em desenvolver um trabalho de qualidade, não se importando se esses alunos estão ou não aprendendo. E quando questionados, vêm com aquela famosa e batida frase de sempre: "Não ganhamos o suficiente para investirmos em nossa formação continuada. Para sobrevivermos, temos que trabalhar em três, quatro escolas e isso nos toma todo o tempo nos impossibilitando de investir em nossa formação."
Por outro lado, os educadores de escolas privadas, que têm um salário privilegiado, trabalhando em um espaço físico adequado e funcional, com salas de aula, laboratórios de física, química, ciências e literatura, alguns inclusive comportando até laboratórios de robótica, mantém a mesma postura acomodada e (na minha opinião o que mais me incomoda) descompromissada com a formação do aluno. E quanto a esses educadores? Qual a desculpa para essa "paralisia" com relação a sua profissão? Hoje em dia há tantos cursos - tanto presenciais, quanto virtuais - tantas palestras interessantes, fóruns, congressos que viabilizam o crescimento profissional de todos que fica difícil de acreditar que não podem melhorar. Daí me vem a eterna pergunta que nunca encontra uma resposta a altura: Você, mestre, você mesmo. Responda com toda sinceridade: você é professor ou está professor? Sim porque existe uma diferença bem grande entre essas duas posições. E, mesmo que você esteja temporariamente professor, você está plenamente de corpo e alma na atual profissão ou está apenas "transitando" descompromissadamente?
Queridos, amados e respeitados professores, não tomem minhas palavras como pedras que estou atirando sem nem prestar atenção em quem acerta. Convivo diariamente ao lado de vocês e, apesar de não ser uma professora também, circulo por esse meio educacional desde 1991 e já vi muitas coisas e presenciei também outras tantas que daria para escrever um livro. Por outro lado, acompanho de perto o quanto vocês sofrem de destrato, discriminação da própria sociedade que olham para vocês e não conseguem enxergar o valor que cada um traz em suas bagagens pessoais e profissionais, acompanho o descaso do governo que finge que vocês não existem enfim, consigo observar a problemática por todos os ângulos possíveis e visíveis. Mas o que mais me tem preocupado nos últimos tempos, é perceber que a auto-estima desse profissional está abaixo do roda pé e que, dessa forma, fica quase impossível de se reverter a atual situação afinal, são vocês mesmo que têm que superar toda essa problemática adquirindo forças para mudar o quadro atual. Vocês têm que ser os primeiros a reconhecer seus reais valores diante dessa sociedade que tanto caresse de uma educação melhor. Compreendo também que palavras são bonitas, fáceis de se expressar mas que não resolvem nada mas, se não derem um primeiro passo para a mudança, nada realmente surgirá no horizonte. Por outro lado, o quadro não é tão negro quanto parece. Apesar de tantos problemas, ainda existe aqueles "guerreiros" que labutam incansávelmente e que dia-a-dia mostram seus valores desenvolvendo com seus alunos projetos inovadores e acrescentando valor à aprendizagem de seus pupilos. E isso me deixa muito feliz pois só me mostra que nem tudo está perdido e que há ainda muito a se fazer e, que bom que há muito por se fazer não é mesmo? É sinal de que há um vasto campo a ser explorado pelos educadores do país todo. PROFESSORES DE TODO O BRASIL, PARABÉNS PELO SEU DIA! Acreditem em suas missões, acreditem em seus potenciais de ensino e orientação. Não se deixem desanimar pelos percalços que possam aparecer em seus caminhos. Invistam sempre em seu aprimoramento profissional e pessoal pois é a junção desses dois que te formam o profissonal de valor que é.

O outro tema do dia está diretamente ligado a educação e não dá mais para fechar os olhos para essa questão: A POBREZA MUNDIAL.
De acordo com um relatório da Conferência das Nações Unidas para Comércio e Desenvolvimento - Unctad apresentado nessa terça-feira, os países mais pobres do mundo se encontram em uma situação extremada.
Conforme o documento, o número de pessoas que vivem com menos de US$ 1 por dia nos 49 países mais pobres do mundo - principalmente na África - mais do que duplicou nos últimos 30 anos, chegando a 307 milhões, o que equivale a 65% da população. As estimativas são de que, se nada for feito, este número pode chegar a 420 milhões em 2015, data estabelecida pela ONU para diminuir a pobreza mundial pela metade.Mas a Unctad alerta que a saída para reverter esta situação é que os países mudem suas políticas domésticas e a comunidade internacional adote um objetivo simples: o crescimento econômico. (Dados retirados da página BBC Brasil.com)
Só que aqui, dou meu parecer de uma leiga que não entende absolutamente nada de economia mas que costuma fazer uma leitura do mundo e o que entendo é o seguinte: para que haja nesses países uma crescimento econômico eficaz, é necessário investir massivamente na...EDUCAÇÃO.
Afinal, uma país de analfabetos dificilmente - ou melhor dizendo - nunca conseguirá sair do patamar de extrema pobreza pois sem ler nem escrever e sem ter uma formação profissional, um país não sai do lugar ou seja, permanecerá na total pobreza. Essa é uma realidade que vemos diariamente nos jornais,na internet, em documentários na TV. Tomemos como exemplo países da África que, de 49, 34 países se encontram em situações de risco. São países completamente dizimados pela guerra, por um governo corrupto e totalmente desligados de suas responsabilidades para com a população e que querem que assim permaneçam. Afinal, investir na educação significa tirar a população da ignorância e isso não é de interesse desses governantes.
Com relação a pobreza no Brasil, por vivermos no eixo Sul-Sudeste, onde o país é mais desenvolvido, as pessoas não conseguem perceber a gravidade da grande maioria que vive na linha da pobreza. Pessoas vivem la linha da pobreza em várias regiões do país sem terem uma habitação decente, sem se alimentarem de forma adequada, crianças vivendo fora das escolas, trabalhando no campo, não tendo a chance de estudo e de um crescimento dentro do que aceitamos como forma normal. Mesmo aqui em São Paulo, basta sairmos às ruas para depararmos com pessoas vivendo nas ruas, dormindo sob viadutos, mendigando nos semáforos, batendo em nossas casas em busca de um prato de comida. O que vem a ser isso? É a pobreza esbarrando em nós, nos incomodando, enfeiando as cidades. Não dá mais para conviver com isso e fingir que não existe. Porisso hoje, juntamente com outros blogueiros estamos fazendo essa manifestação em prol do fim da pobreza mundial. De alguma forma precisamos fazer algo e, através da blogagem, é uma maneira de iniciarmos a conscientização - em primeiro lugar nossa mesmo - de todos que por aqui passarem para em seguida, passarmos à ação de fato. E aqui deixo minha reflexão à todos: Vamos nos empenhar na educação no país para combatermos a pobreza moral, intelectual e material. Essa é a minha mensagem do dia

Um comentário:

Georgia disse...

Roseli seu texto é maravilhoso, muito bem escrito, mas dói saber dessas coisas. Tanto no lado educacional como no lado da pobreza que se alastra vertiginosamente. Lamento que esse texto tao bem escrito por vc seja enorme e as pessoas nao param para lê-lo. Só uma sugestao: quando for assim divide o texto em 3 partes. PartI, II, III.

Além de setimular o interessse pelo texto, faz com que a pessoa se lembre de voltar. Porque acho uma pena que muitos nao o poderao lê-lo por causa da correria do próprio tempo. Outros têm os PCs no trabalho e nao podem se delongar, entende? É só uma sugestao.

Quanto a blogagem, nao sei o que vc leu, mas ela é para a semana de 10 à 15 de NOVEMBRO. Escolhemos uma semana inteira para nao ficar puxado só um dia. E fora disso para as pessoas que gostam de escrever, rs, elas poderao dividir o texto em partes. Será que vc nao fez confusao com as datas, hahahahhaha.

Acho que sim.

Muito obrigada mais uma vez e me confirma depois se vc poderá ou nao.